Fitoterapia

A Organização Mundial de Saúde (OMS) define medicina herbática ou fitomedicina como:” Aquela que utiliza preparações herbáticas produzidas pela sujeição dos materiais de origem vegetal à extracção, fraccionação, purificação, concentração, ou outros processos físicos ou biológicos”. Podendo ser produzidos para consumo imediato ou como base para remédios e produtos herbáticos ou vegetais. Os produtos herbáticos podem conter excipientes, ou ingredientes inertes, adicionados aos ingredientes activos. In World Health Organisation (2001). Legal Status of Traditional Medicine and Complementary/Alternative Medicine: A Worldwide Review. WHO Publishing.

terça-feira, 31 de Maio de 2011

AMOREIRA


Nome científico
Morus nigra; Morus alba

Família
Moráceas

Nome popular
AMOREIRA NEGRA; AMOREIRA-BRANCA

Origem
Ásia, Cáucaso regiões subtropicais da África e da América do Norte

Parte usada
Folhas, frutos, raízes, cascas

Propriedades terapêuticas
Laxativa, sedativa, expectorante, refrescante, emoliente, adstringente, calmante, diurética, antidiabético, anti-inflamatório, tónica

Princípios activos
Morus Alba: adenina, proteína, sais, glicose, flavonóides, cumarina, taninos;
Morus nigra: adenina, glicose, asparagina, carbonato de cálcio, proteína, tanino, cumarina, flavonóides, açúcares, ácido málico, matérias albuminóides e pectínicas, pectosa, vitaminas A,B1,B2,C

Indicações terapêuticas
Laxativa, expectorante, refrescante, emoliente, calmante e diurética, antidiabético (variedade nigra), dor de dente, anti-inflamatório, reduz pressão sanguínea.
Frutos: tónico, laxante
Folhas: antibacteriana, expectorante, sudorífero
Cascas: anti-reumática, reduz a pressão sanguínea, analgésica
Cascas da raiz: sedativa, diurética, expectorante

Uso Interno
Cozimento: 30 g de folhas para 1litro de água em infusão contra as anginas
Cozimento: 20 g de casca da raiz para 1litro de água como vermífugo
Cozimento: 50 g de casca para 1litro de água como purgante
Xarope de amoras: junta-se sumo de amora com o mesmo peso de mel ou açúcar, leva-se ao lume brando durante muito tempo até engrossar e tomar a consistência de xarope. Toma-se 1 colher de sopa 3 vezes ao dia ou no caso de crianças 1 colher de chá também 3 vezes ao dia.
Sumo: de amoras adoçadas com mel. Toma-se aos goles no caso de amigdalites e doença das cordas vocais

Uso Externo
Sumo: de amoras adoçadas com mel serve para bochechar a boca no caso de aftas.

Efeitos secundários
Não se deve consumir o fruto em caso de diarreia. Não se deve administrar as folhas nem raízes no caso de debilidade ou "frio" pulmonares.

Bibliografia: Nunes, João R., 'Medicina popular - Tratamento pelas plantas medicinais', Litexa Editora, Setembro 1999, Chaves, António J. Leal - “Viva Melhor com as Plantas Medicinais” – Edições Une – 2008

Sem comentários:

Enviar um comentário